Hoje é Dia Internacional da Mulher. Apesar de ter surgido em 1909 nos Estados Unidos e em 1911 em vários países da Europa, a data foi instituída pelas Nações Unidas em 1977, com o objetivo de recordar as conquistas das mulheres e a luta contra o preconceito, seja racial, sexual, político, cultural, linguístico ou económico, bem como reconhecer a importância e contributo da mulher na sociedade.

 

Neste dia (e não só) é imperativo refletir nos progressos alcançados e operar a mudança nos objetivos que ainda faltam atingir e que fazem parte da Agenda 2030 da ONU, nomeadamente o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5: Igualdade de Género.   

 

“Quero ser claro: isto não é um favor às mulheres. A igualdade de género é uma questão de direitos humanos, mas também de todos nós: homens e rapazes, mulheres e raparigas. A desigualdade de género e a discriminação contra as mulheres afetam-nos a todos.”, são as palavras do Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, na edição de hoje do Jornal Público.

 

No momento em que o movimento global contra o assédio sexual, violência e discriminação contra as mulheres ocupa um lugar de destaque por todo o mundo, este Dia Internacional da Mulher 2018 é uma oportunidade para agir, empoderar as mulheres em todas as áreas e realçar o potencial e contributo que cada uma pode trazer à Humanidade.

 

Os Associados do GRACE também estão a celebrar a data com várias iniciativas.

A Euronext Lisbon e a Global Compact Network Portugal, promovem a Cerimónia do Toque do Sino pela Igualdade de Género, que assinala o compromisso do setor empresarial com a Igualdade. Trata-se de uma iniciativa mundial, que envolve mais de 50 Bolsas de Valores, promovida conjuntamente por United Nations Global Compact, UN Women, World Federation of Exchanges, Women in ETFs, Sustainability Stock Exchanges Initiative e International Finance Corporation - World Bank Group.

Pode consultar o programa aqui.

 

A Accenture Portugal promove, amanhã, um pequeno-almoço executivo, no qual irá refletir sobre a criação de uma cultura que privilegie a igualdade de género e paridade.

Pode acompanhar o evento em direto aqui

 

Também o parceiro CIG - Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género organiza várias iniciativas, que podem ser consultadas aqui, e o ACM - Alto Comissariado para as Migrações lança hoje uma nova edição de ACM em revista, dedicada às mulheres, em especial às mulheres migrantes, refugiadas e ciganas, que pode ser lida aqui