O Associado Repsol assinou recentemente o compromisso voluntário “Plastics 2030”, procurando incrementar a circularidade e a eficiência deste tipo de recursos. O programa “Plastics 2030” foi apresentado pela PlasticsEurope após a divulgação oficial da “Estratégia Europeia para os Plásticos” da Comissão Europeia, no início deste ano.

 

De forma a antecipar-se às exigências da sociedade e com o objetivo de oferecer produtos diferenciados, a Repsol está a desenvolver atualmente alguns projetos nesta área:

  • Reciclex: focado na comercialização de poliolefinas que incorporam uma percentagem de produto reciclado. Este programa implica acordos com distintos membros da cadeia de valor para garantir o fornecimento de materiais homogéneos.  
  • Naturep: com o objetivo de ir mais além no que toca aos requisitos legais e procurar a eliminação dos aditivos com limite de migração nas suas poliolefinas, para salvaguardar a segurança das pessoas e o meio ambiente em todas as aplicações para eliminar os obstáculos à reciclagem.
  • Neospol: procura novos produtos que utilizam matérias-primas alternativas como oCO2.
  • Zero: focado na reciclagem química de correntes de resíduos plásticos que de outro modo iriam terminar nos aterros, por não se poderem reciclar de forma tradicional. Nestes obtém-se uma matéria-prima alternativa que se reintroduz no ciclo e produção dos plásticos.
  • BIO: trata-se de poliolefinas biodegradáveis de origem fóssil que procuram dar solução a determinadas aplicações nas quais os plásticos tem uma reciclagem mais difícil e terminariam em aterros ou no meio ambiente, como acontece por exemplo na agricultura.

 

A Repsol aderiu também recentemente ao Operation Clean Sweep, um programa internacional da indústria que procura eliminar a perda de grânulos de plásticos nos centros industriais, armazéns e transportes.