Upskilling precisa-se. Urgentemente

Upskilling precisa-se. Urgentemente

A 26 de outubro, esta European Roundtable, inserida na SDG Summit do CSR Europe, envolveu 6 National Partner Organizations (NPOs): GRACE (Portugal), Forética (Espanha), Face (França), Sodalitas (Itália), Impronta Etica (Itália) e RBF Poland (Polónia) e focou o tema Upskilling the Workforce for the New Era: the Challenge of Employee Engagement.

Após as boas-vindas, Luís Roberto, Vice-Presidente do GRACE, realçou que a aceleração da digitalização do trabalho, provocada pela pandemia, está a obrigar as empresas a criar uma nova estratégia. Segundo dados do World Economic Forum, em 2025, seres humanos e máquinas ocuparão o mesmo tempo dedicado ao trabalho, e o top 3 de skills prioritárias para os empregadores incluem pensamento e análise críticas, solução de problemas e self-management (como auto-aprendizagem, resiliência e flexibilidade). Estima-se que, em média, cerca de 40% dos trabalhadores necessitem de reskilling durante um período de 6 meses.

Nesse sentido, o CSR Europe, lançou em 2018 o projeto Upskill4Future que visa a transformação dos RH nas empresas e apoiar na transição para uma workforce inclusiva. Segundo Anna Bittnerova, Project Manager do CSR Europe, o projeto assenta em 3 pilares: planeamento de estratégia; capacitação e desenvolvimento; flexibilidade e mobilidade. Apesar de, na generalidade, as empresas já se encontrarem num estado de maturidade no que diz respeito à estratégia e capacitação dos colaboradores, quando se trata de aplicar estes pilares nos colaboradores mais vulneráveis ainda há um longo caminho a percorrer.

Seguidamente, Paolo Le Pera (Philipp Morris Italy), Agnieszka Bartnikowska (BNP Paribas Bank Polska), Laura Bruno (Sanofi Italy and Malta) e Francesco Veneziani (Sanofi Italy), partilharam experiências, iniciativas, desafios e oportunidades.

De acordo com a Ursula von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia, upskilling é uma necessidade para todos os colaboradores, uma vez que os ajuda a lidar com as mudanças tecnológicas e, ao mesmo tempo é benéfica para as empresas, pois permite-lhes continuar a ser competitivas e inovadoras.

E foram essas as conclusões retiradas: é necessário elaborar uma estratégia de upskilling e definir um plano de ação, alinhados com a cultura da organização e com o modelo de negócio. Não obstante o papel fundamental dos RH, a comunicação interna é fulcral em todo este processo. O “investimento” nas pessoas, além de benéfico para as empresas, sê-lo-á ainda mais para a sociedade.

Após efetuar o seu registo, pode (re)ver esta National Roundtable aqui

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *